CENTENÁRIOS EM PORTUGAL

Viver para além dos 100 anos sempre pareceu ser uma meta inalcançável para a maioria das pessoas, mas está a tornar-se numa realidade cada vez mais comum.

Os centenários são o grupo etário que regista um maior crescimento demográfico na maioria dos países desenvolvidos. Na Europa, existiam, em 2011, 89.156 pessoas com 100 e mais anos[1]. França, Itália e Grécia são os países com maior proporção de centenários, com mais de 20 por cada 100.000 habitantes. Já a República Checa, Eslováquia, Croácia, Roménia e Bulgária são os países com menor proporção, entre 4.9 e 3.2 centenários por cada 100.000 habitantes. Portugal surge em 13º lugar, com 1526 centenários em 2011. Mas projeções mais recentes do Instituto Nacional de Estatística apontam para um aumento assinalável deste número. Assim, estima-se que hoje já serão mais de 4000 os Portugueses que assinalaram o centésimo aniversário e espera-se que em 2080 sejam quase 22 mil[2].

Chegar a esta idade não é uma questão de mera sorte ou destino. Bons genes aliados a bons hábitos de vida parecem ser a fórmula do sucesso. Esta é a conclusão dos diversos estudos sobre centenários que têm sido desenvolvidos nos últimos anos, nomeadamente nos países onde a prevalência desta população é mais expressiva. As Blue Zones correspondem a cinco pontos no mundo onde existe a maior concentração desta população: Loma Linda (Califórnia), Nicoya (Costa Rica), Sardenha (Itália), Icária (Grécia) e Okinawa (Japão). Pesquisas nestas zonas têm identificado os fatores associados à extensão da longevidade, nomeadamente a importância de uma alimentação e nutrição equilibrada, com produtos locais e da época; de permanecer ativo e envolvido em tarefas e atividades que garantam atividade física diária; da existência de laços familiares próximos e de mútuo apoio; do envolvimento na comunidade, que permita o desempenho de papéis significativos; de ter um propósito de vida que dê sentido à existência; e, finalmente, a importância de celebrar a vida[3].

Também em Portugal os centenários têm vindo a ser estudados. O PT100 – Estudo de Centenários do Porto[4] procurou descrever quem são os centenários residentes na Área Metropolitana do Porto, com base nas 140 entrevistas realizadas a pessoas entre os 100 e os 108 anos de idade. Quando questionados acerca das razões para terem chegado a uma idade tão avançada, as mais apontadas foram, por ordem decrescente de frequência, a vontade de Deus, a vida de trabalho e o ter saúde ao longo da vida. Aspetos psicológicos e sociais também foram apontados, mas com menor relevância. Os centenários do Porto, bem como de outras zonas do país, foram recentemente dados a conhecer à comunidade com a vista a homenagear este grupo e a sensibilizar a população para questões relacionadas com o envelhecimento. Estes foram os objetivos da exposição “Centenários”, do fotografo Marcus Garcia, um projeto em parceria com o PT100 e o Porto4Ageing que esteve recentemente exposta na estação de metro do Bolhão – Porto[5].

A Equipa do PT100

FOTO: Centenária (109 anos) da exposição de Marcus Garcia

 

[1] Teixeira, L., Araújo, L., Jopp, D., & Ribeiro, O. (2017). Centenarians in Europe. Maturitas, 104, 90-95.

[2] Projeções divulgadas na comunicação social em abril de 2017, nomeadamente no Expresso e no Jornal Económico.

[3] Buettner, D. (2008). The Blue Zones: 9 Lessons for Living Longer From the People Who’ve Lived the Longest. New York: National Geographic.

[4] www.pt100.pt

[5] https://www.publico.pt/2017/11/27/fotogaleria/centenarios-379271?page=/&pos=15&b=multimedia__3

Deixe o seu comentário

You Might Also Like