#MICROIDADISMO -À CONVERSA COM FRANCISCO OLAVARRÍA RAMOS – 2.ª PARTE

@ENVELHECER: Numa sociedade que idolatra a juventude, o idadismo é inevitável?

FRANCISCO: Em absoluto. A partir da formação (intersetorial e intergeracional) podemos mudar o paradigma, mas não se trata de criminalizar a juventude. Esta população também sofre discriminação em função da sua idade.

@ENVELHECER: As Nações Unidas, no II Plano de Ação para o Envelhecimento, indicaram como principal objetivo a luta contra os estereótipos negativos ou idadismo. Os nossos países, Portugal e Espanha, estão no caminho certo? 

FRANCISCO: Temo que não, mas sou otimista. Pouco a pouco vão surgindo iniciativas para lutar contra o idadismo.

Gostaria de acrescentar alguma coisa. A partir da consciência real e da reivindicação dos direitos que têm as pessoas idosas (heterogéneas em todas as suas dimensões) podemos somar vontades para acabar com a gerontofobia. Por outro lado, mais direitos e menos ódios.

@ENVELHECER: Esteve recentemente em Portugal para participar no Seminário Internacional Alzheimer e outras Demências para abordar questões relacionadas com a importância dos meios de comunicação na percepção do envelhecimento.  Que papel poderá ser desempenhado pela televisão, rádio, cinema, teatro e redes sociais? 

FRANCISCO:  Como tive oportunidade de dizer, na minha intervenção no Seminário, os meios de comunicação (todos) e a publicidade podem ser impulsionadores dessa mudança de paradigma, perante o envelhecimento e as pessoas idosas. Mas ainda há um longo caminho a fazer no âmbito da pedagogia e consciência crítica. Esse despertar deve ser trabalhado pelos profissionais da gerontologia.

Se me permites, podem recorrer a mim para lhes oferecer material que ajude a acabar com a discriminação em função da idade. Por outro lado, gostaria de recomendar o caderno que escrevi “El microedadismo lo vamos a jubilar” para todos aqueles que possam estar interessados nesta problemática.

Qmayor Magazine, a revista onde trabalho, também é una boa ferramenta para lutar contra o estigma da idade.

@ENVELHECER: Como recebeste a notícia da assinatura, por parte dos jornalistas espanhóis, da Declaração de Salamanca que plasma um compromisso com as pessoas com doença de Alzheimer?   

FRANCISCO: Com alegria e esperança. Qmayor Magazine nasceu já com todas essas medidas e muitas outras.

@ENVELHECER: De que modo a educação e a formação dos jovens podem contribuir para combater esta discriminação, aparentemente normalizada, silenciada e transgeneracional? 

FRANCISCO: Creio que a educação  é fulcral. Com o exemplo de pessoas diferentes, ativas, empoderadas, valentes… como são as pessoas idosas, que temos na nossa comunidade, podemos conseguir.

@ENVELHECER: Temos um desafio, aceitas divulgar e partilhar o projecto “MicroEdadismos” em Portugal, adaptado para a língua portuguesa?

FRANCISCO: Claro que sim! Oxalá consigamos uma sociedade mais inclusiva para todas as idades e de todos os estilos. Nesta sociedade, pela qual estou a trabalhar, todos somos muito valiosos.

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Francisco Olavarría Ramos
Licenciado em Marketing e Comunicação Social. Tem trabalho na área da Gerontología e é reconhecido como repreendedor da Silver Economy. Fundador do projeto Serpentina Sénior e Diretor de Conteúdos da revista digital QMAYOR. É autor do caderno pedagógico “Vamos Reformar o Microidadismo”.

Deixe o seu comentário

You Might Also Like

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close