#ArtigoEmDestaque: A discriminação consentida

Faz agora um mês que os lares de idosos fecharam as portas a visitas, primeiro apenas em alguns distritos, depois em todo o país.
Um mês passado registam-se mais de 60 óbitos em lares e mais de mil infectados (incluindo funcionários), sendo muitos os casos-limite como o do lar da Misericórdia, em Aveiro, em que morreram 15 idosos e existem 80
infectados, mais 51 infectados em Vale de Cambra, mais 40 em Ílhavo, e sem que os demais idosos tenham um afastamento profilático… Quinze por cento dos óbitos por covid-19 correspondem a idosos que viviam em lares. Sabemos que a covid-19 atinge sobretudo os mais velhos, entre os
quais se regista uma taxa de 10,7% para uma média nacional de 2,8%. Sabemos também que estas elevadas taxas se mantêm abaixo
dos 27,6% de portugueses idosos, o que significa que se lhes tem conseguido prestar algum nível de protecção.

E, não obstante, os mais velhos, aqueles que são hoje o reflexo do nosso futuro, vivem sob uma dramática angústia, olhando para o seu passado, comparando-o com o seu presente e receosos com o seu futuro, sobretudo se vivem num lar. Antes de infectados já estavam sós, antes das portas
fechadas já estavam marginalizados, antes do medo da covid-19 já estavam deprimidos por tantas formas de discriminação que os atinge paulatina e (talvez) impercetivelmente…
Os mais velhos entre nós são, desde há muito, vítimas de uma discriminação que a covid-19 colocou a descoberto. Não temos, em Portugal, registos de indignidades como se veriÆcaram em Espanha, onde o Exército
encontrou lares com cadáveres nas camas ao lado de outros idosos vivos e abandonados; ou em que um grupo de idosos infectados, num processo de transferência de localização, foi apedrejado. Mas não posso deixar de pensar na intensa cobertura mediática de jovens europeus de origem asiática que protestavam contra a discriminação de que se sentiam vítimas quando a covid-19 se conÆnava à China.
Em relação aos idosos impera o silêncio: o deles, que não reclamam, o da sociedade, que cala e consente.
O “politicamente correcto” em relação a outros grupos sociais, distintos pelo género, etnia, religião, orientação sexual, etc., impõe-se como respeito pela dignidade humana, como reconhecimento do valor absoluto e incondicionado (não dependente de quaisquer características) da pessoa. O
mesmo, porém, não se aplica aos idosos — na sua redução a uma característica, a idade —, à “geração grisalha” — na sua identificação pela cor (do cabelo). Há discriminação consentida em relação aos idosos. O
comportamento negligente de muitos jovens durante a pandemia evidencia-o; a afirmação, por parte de políticos norte-americanos, de que a eventual morte de idosos pela covid-19 seria o contributo destes para uma economia que não pode parar é um atentado violento contra os direitos humanos e devia converter-se urgentemente num anacronismo social.
Mas a sociedade não questiona, nem se interroga; não se indigna, nem contesta.
Tacitamente aceita que se afirme que, no caso de escassez de ventiladores, os maiores de 80 anos, ou 75, ou 70… sejam excluídos, apenas em função da sua idade cronológica.
Ah, sim, é porque têm uma expectativa de vida inferior a outros — é um argumento de conforto. Mas então as pessoas valem mais ou menos consoante o número médio de anos de vida de que dispõem… E não vos
parecerá estranho, incoerente e contraditório que, ao abrigo do princípio
ético da dignidade humana que proíbe a avaliação de cada
um pelas suas características pessoais, como (mais uma vez) o género, a etnia, a religião, a orientação sexual, etc., seja afinal aceite que julguemos o valor de alguns pela sua idade? Será que, final, a dignidade tem idade ou caduca com a idade?
Somos todos plenamente pessoa em todos e cada um dos dias da nossa
vida até ao último. A minha expectativa é que a pandemia de hoje, ao ter descoberto e exposto a discriminação tácita, muda, consentida contra os idosos, possa amanhã ditar a recuperação do respeito, que nunca se deveria ter perdido, e se possível também o apreço, pelos mais idosos. O melhor, aliás, será começar já hoje: o modo como lidarmos com o alastrar da covid-19 nos lares de idosos vai definir-nos enquanto sociedade; a nossa percepção dos idosos reflecte quem somos.

Autora: Maria do Céu Patrão Neves

Fonte: Público, 11/04/2020

Deixe o seu comentário

You Might Also Like

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close