O ODOR DA SOLIDÃO

… o corpo curvado, em direção  a um chão medonho e seco …

… o corpo inclinado, sumindo-se no odor de uma lembrança indesejada …

… corpo envolto em névoas de abandono e desespero, neblina parada num tempo insustentável …

… escondem-se as mãos na rugosidade familiar de umas contas de rosário, passeando entre os dedos escamosos as míseras orações de uma escravidão inexplicável …

… os olhos turvam-se na tentação de um lamento inacabado e religiosamente guardado na arca dos tempos moribundos …

… o corpo dobrado sob um caldeirão de fogo fátuo e andrajos de negrume que se despedaçam e se dissolvem na intemporalidade enfadonha …

… um corpo esmagado, absorvido pela pressão das intempéries, enterrando-se na leveza aparente de um manto de alva neve fria …

… escondido o corpo num reboliço de olhares estranhos, desconfianças e medos atravessados por um raio de tímida claridade …

… uns estranhos olhos tingidos de vermelhidão sofrida, lacrimejados pelas palavras indecifráveis, envolvidas num manto de sentimentalismo condenado …

… os pés aprisionados numas caixas negras, raízes arrancadas de uma terra morta que se arrastam em redor de uns breves resquícios de vida …

… um corpo feito de troncos envelhecidos, ramos trespassados pelos machados rombudos arrancados de memórias atrofiadas …

… ai que corpo tão estranho à vontade da alma e aos intentos do olhar e aos anseios da mais inocente extravagância …

… de cada passo demorado deixado sobre as pedras duras desprende-se um odor incómodo temperado de infortúnio e ingratidão …

… de cada conta do rosário acarinhada entre os escassos dedos desprende-se um baú de mágoas, quadros pesarosos, relicários de oblação, degraus rugosos de uma via sacra dolorosa …

… o corpo avança, cansado e débil, numa peregrinação consagrado, distanciando-se da primavera resplandecente …

… o velho corpo decadente afasta-se na distância dos sonhos e da terra bendita e consagrada, segurando um rosário  descaído …

… o corpo separa-se da intensa claridade do dia, inclinado em direção à sua sombra alongada e frágil …

… o corpo distende-se ao longo das fachadas esbranquiçadas, reflete-se fugazmente nas vidraças,  abandonando progressivamente o rebuliço abstrato da agitação urbana …

… das mãos calejadas e secas descai o rosário desgastado por mil orações repisadas e efémeras, murmúrio de um reportório decorado, como folhas de um livro amaldiçoado que se rasgam e se deixam esvoaçar sem remorso …

… um odor a solidão desfigurada persegue o corpo dobrado, permanece sobreposto aos perfumes subtis da primavera, derradeira manifestação de uma história de vida sem regresso …

 

Deixe o seu comentário

You Might Also Like

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close